Como economizar com alimentação em viagens pelo mundo

alimentacao-mochilando

Como economizar com alimentação em viagens pelo mundo

Economizar com alimentação em viagem é fundamental para conseguir viajar barato pelo mundo. Em nossa série de artigos para viajantes com pouco dinheiro, já demos dicas de como chegar barato em qualquer lugarcomo economizar com passagens aéreas, com cruzeiros baratos, com hotéis, e outras hospedagens.

Hoje, o Instinto Viajante, traz várias dicas de como economizar com comida em viagens para qualquer lugar do mundo, com conselhos simples e infalíveis! Obrigado pela visita e boa viagem!

Este artigo faz parte da série Guia viajando barato pelo mundo

como-economizar-com-alimentacao-em-viagens

Uma das maiores vantagens de não comer em restaurantes e lanchonetes: escolher a paisagem para fazer sua refeição! Foto: Pausa pro lanche em Comodoro Rivadavia, Argentina – Instinto Viajante

Obviamente, nossas dicas para gastar pouco com alimentação não aconselharão que você viva de pão e água, e tampouco que deixe de comer ou coma mal.

Também não falaremos para você viver de luz. A ideia é mostrar formas simples para achar comidas baratas pelo mundo, comendo bem, gastando pouco, e mantendo seu corpo saudável durante seu mochilão ou viagem pelo mundo. Vamos as dicas!

As dicas para alimentar-se barato durante a viagem que mostraremos são:

  • Prato feito / Executivo / Menu do dia
  • Self service
  • Buffet / Tenedor libre
  • Comida para viagem / Marmita / Marmitex
  • Comer na rua
  • Mercados populares
  • Piqueniques
  • Cozinhar
  • Cupons de desconto e sites de compras coletivas
  • Afaste-se das zonas de apelo turístico
  • Corte as bebidas
  • Evite as guloseimas e belisquetes:
  • Seja vegetariano (a)

Como economizar com alimentação em viagens internacionais

como-economizar-com-comida-na-estrada

Uma das formas mais simples de economizar com alimentação em viagens: cozinhar em casa! Foto: Cozinhando com nossos anfitriões do CouchSurfing, em San Juan, Argentina – Instinto Viajante

Comer na casa de pessoas: se você deseja economizar com alimentado durante a viagem, mas, ainda assim, comer um prato rebuscado, mas não quer ir em restaurantes caros, use algum dos sites e aplicativos que unem pessoas comuns e chefs que cozinham para viajantes, por preços bem mais baratos. Alguns deles:

→ Veja também: Mais de 75 aplicativos para viajar bem e barato pelo mundo

Prato feito / Executivo / Menu do dia: se não faz diferença para você comer comidas comuns, opte por restaurantes que oferecem pratos feitos (popular PF, no Brasil), executivos, e menus do dia, que costumam ser mais baratos que os outros pratos oferecidos no menu completo e terem uma boa quantidade de comida.

Países como Equador e Espanha são famosos por oferecerem muita comida no menu do dia a preços baixos, com uma entrada (geralmente sopa), prato principal, pães, saladas, sobremesa, e bebida (no Equador se encontra esses pratos por US$ 3-5, em restaurantes populares).

No Chile, também possuem bastante comida por preços mais baixos, como o conhecido “a lo pobre”, que é o mesmo que “a cavalo” no Brasil, ou seja, pratos com carne, ovos e batata frita.

Pratos feitos, executivos, e menus do dia, são ótimos para quem come bastante e são encontrados em vários países ao redor do mundo.

(Dica: seja para este tipo de comida ou qualquer outro, sempre pergunte o tamanho do prato. Há lugares que parecem caros, mas que vêm tanta comida que é possível dividir para mais pessoas. E, é claro, há lugares que o preço não vale o tamanho)

Self service: os restaurantes self service são parte da cultura brasileira. Não é uma opção encontrada em qualquer país, mas ainda assim é possível, principalmente em cidades grandes e/ou turísticas. Por pagar exatamente pelo que come, este tipo de restaurante costuma ser vantagem para vegetarianos (folhas pesam menos que carne) e pessoas que comem pouco (cerca de 200-300 gramas).

Para viajar pelo Brasil são ótimas formas de economizar. E existem outros países que também incorporaram esta cultura.

(Dica: em cidades grandes do Brasil, como o Rio de Janeiro, comer em horários alternativos pode sair ainda mais barato, como entre as 13:30h -14:30h, ou seja, após o grande movimento. Isso te fará economizar dinheiro, mas só é vantagem se ainda houver boas opções de comida para servir)

Buffet / Tenedor libre: Mas se você come muito (mesmo!), o melhor são os famosos “coma quanto quiser”. No Brasil são chamados Buffet, na Argentina são conhecidos como Tenedor libre, ambas modalidades onde você paga um valor fixo e come o quanto quiser. Em alguns casos podendo encher o prato quantas vezes quiser e, em outros, apenas uma vez.

Conheço viajantes que comem nesses lugares e se mantém o resto do dia com coisas básicas, como frutas.

Comida para viagem / Marmita / Marmitex: Tanto em restaurantes que vendem pratos feitos, quanto nos que oferecem buffet, é comum ter a opção de pedir para viagem, mesmo que não haja nenhum cartaz informando. Portanto, se quiser realmente economizar, pergunte se há comida para levar.

No Brasil é uma prática muito comum, e chega a vir mais comida do que o popular PF (prato feito). São as chamadas marmitas ou marmitex, que custam, em média, R$ 7-15. Nos outros países latinos também são comuns, as chamadas “comidas para levar“. Enfim, independente do seu destino de viagem, sempre pergunte se há a opção para levar e quanto custa. Você provavelmente vai pagar mais barato e pode escolher um lugar bonito e tranquilo para comer, como um parque ou uma praia.

Comer na rua: outra forma de economizar com alimentação em viagens, é o mercado informal de comidas, ou seja, comer na rua. Uma das melhores opções para comer e gastar pouco em muitos países, e ainda conhecer bastante da cultura local (muitas vezes, tendo ótimas surpresas).

No Brasil, pequenas refeições, caldos, “churrasquinhos”, cachorro-quente, baurus e sanduíches (famosos “podrões”) etc, são boas opções; nos outros países latinos também são populares, como o chivito, no Uruguai; o choripan (pão com linguiça), na Argentina; lomitos (sanduíches), no Paraguay; completos (cachorro-quente cheio de coisas, incluindo guaca mole) no Chile; ótimos tacos, no México; food truck, nos Estados Unidos, etc.

(Dica: consulte sobre a higiene do seu local de viagem, pois alguns países torna essa prática inviável)

Ps: lanches de rua, quase sempre, não servem como alimentação única.

Mercados populares: em vários países, comer em um mercado popular, ou mercado municipal, é a maneira mais barata e uma ótima oportunidade de conhecer a culinária local. Isso, pois, é onde está a maior parte dos moradores e trabalhadores. Caso de lugares como o Mercado del Norte, em Tucumán, na Argentina; ou do Mercado Central de San Pedro, em Cusco, no Peru.

Mas, atenção: em algumas cidades, esses mercado ficaram tão populares que passaram a ser turísticos, fazendo com que os preços tenham subido – se estiver cheio de turistas, você já sabe. São os casos do Mercado Central, em Santiago, no Chile; e do Mercado del Puerto, em Montevideo, no Uruguai.

Piqueniques: fazer você mesmo (a) é sempre mais barato! Economiza-se muito com comida em viagens, simplesmente indo no mercado, comprando o que quiser, como frutas, bebidas e itens para sanduíches, e comendo em trilhas, praças, parques e praias.

Mais uma vez: não vá viver unicamente destes sanduíches.

Ps: sempre recolha todo seu lixo =)

Cozinhar: apesar de listar todas essas dicas, eu e Isabela, em nossa viagem, nunca comemos nas ruas, mas sim cozinhamos todas as nossas refeições. É muito raro comermos nas ruas, a não ser que seja muito barato ou uma verdadeira experiência de intercâmbio cultural.

E é seguindo essa, que para mim é a maior dica de como economizar dinheiro com alimentando em viagens, que nós conseguimos manter nosso orçamento de apenas R$ 22,00/dia, para o casal (contando TODAS as despesas), mesmo viajando por países que não são tão baratos, como Argentina e Chile.

Em hostels, campings, etc, é legal convidar outros hóspedes para cozinhar junto, dividindo os custos, provando culinárias do mundo inteiro e fazendo amigos (quanto mais pessoas, mais barato será).

Ao cozinhar para si, lembre-se: cada economiza que fizer com suas refeições, são investimentos que poderão ser gastos em outras coisas, como passeios e entradas em parques.

seta-instinto-viajante Dicas extras para economizar com comida em viagens

como-economizar-com-comida-em-viagem

Não quer cozinhar ou não tem como? Experimente comer com vendedores ambulantes, nas ruas. Foto: Provando as famosas sopaipillas, em Coyhaique, no Chile – Instinto Viajante

Cupons de desconto e sites de compras coletivas: outra maneira de economizar dinheiro com comida em viagens é buscar sites de compra colectiva e cupons de desconto na internet. O Groupon é o mais popular deles e tem abrangência mundial.

Também existem muitas cidades onde cupons desconto são entregues pelas ruas ou em hostels, pousadas, e hotéis, que possuem estabelecimentos parceiros.

Essa tática ainda pode render outros descontos para viajar, como passeios, entradas em casas noturnas e parques, hospedagens, etc.

Afaste-se das zonas de apelo turístico: sempre afasta-se das zonas mais turísticas, que, em geral, são: centros, orlas de praias, praças grandes, etc. Quanto mais longe, mais local será e mais barato.

Corte as bebidas: cortar as bebidas durante as refeições foi uma das minhas 50 dicas de como economizar para viajar. Portanto, evite as bebidas, seja para comer fora, ou quando cozinhar, e você economizará bastante dinheiro em sua viagem.

O melhor para seu bolso e saúde é comer sem beber, mas caso queira, muitos países possuem restaurantes que são obrigados a dar água de graça, ou são baratas. Também tenha sempre sua garrafa para encher em lugares com água potável e não precisar ficar comprando.

Evite as guloseimas e belisquetes: segure seu desejo nas ruas, pois doces, bolos, tortas, pipocas, etc, quando somados revelam um grande gasto desnecessário. Tenha sempre uma ou duas frutas na mochila ao sair para caminhar, seu bolso e sua saúde mais uma vez irão agradecer.

Seja vegetariano (a): conheço várias pessoas que deixaram de comer carne viajando. Tornar-se vegetariano (a) ou, ao menos, diminuir sua quantidade de carnes, lhe fará economizar muito durante seu mochilão ou volta ao mundo. Considere. Sua saúde e bolso irão agradecer. Antes de pensar que não terá proteína, saiba que ovos, feijão, e brócolis são alguns dos alimentos ricos em proteína, e veja outras 25 fontes aqui (algumas você nem imagina).

Viaje com o melhor seguro viagem internacional: World Nomads

seta-instinto-viajante Dicas de como economizar com comida em viagens ‘mais roots

como-economizar-com-comida-viajando

Que tal empanadas deliciosas e tradicionais? Foto: Com a Sarita, vendedora de empanadas mais antiga e famosa de Tucuman, a terra das empanadas, na Argentina – Instinto Viajante

Dumpster diving / colher produtos descartados: Dumpster diving, significa, em tradução livre, “mergulho em depósitos de lixo”, e é um nome mais charmoso para a prática de buscar e recolher alimentos descartados, principalmente de hortifrutis e supermercados. Essa é uma coisa relativamente comum entre viajantes sem dinheiro da Europa.

Essa cultura se fez nao famosa que hoje em dia há uma enciclopédia sobre o tema, a Trashwiki.

Instituições religiosas: ao redor do mundo existem muitas instituições religiosas, principalmente templos budistas e Hare Krishna, que servem refeições gratuitas ou que permitem trocar ajuda por comida e hospedagem, como mencionado no artigo como viajar sem dinheiro.

Essa prática é mais comum na Ásia, mas templos Sikh costumam dar hospedagem grátis e comida, tanto na Ásia, quanto na África.

seta-instinto-viajante Considerações finais

vinhos-argentinos-baratos

Outro segredo para economizar em viagens: Consumir produtos locais. Consumir o produto da região será sempre mais barato do que os importados. No Chile e Argentina, vinho de boa qualidade é mais barato do que uma garrafa de cachaça, já que essa vem exportada do Brasil. Foto: Tomando um espumante de excelente qualidade, pagando muito pouco, em Mendoza, na Argentina – Instinto Viajante

Entenda bem, essas dicas de viagem não sugerem que você não curta sua viagem ou deixe de provar produtos típicos em seus destinos de viagens. Apenas dizendo que, com um pouco de força de vontade, você poderá segurar seus desejos, e consumir os mesmos produtos em sua cidade, ou em outras cidades muito mais baratas durante sua viagem ou em uma próxima.

Entenda que consumir coisas típicas de um país em outro custará muito caro e é desnecessário. Por exemplo, você não precisa tomar vinhos no Brasil, onde bons rótulos vão te custar caro, prefira fazê-lo em Santiago, no Chile, ou em Mendoza, na Argentina. Deixe a caipirinha para o Brasil, assim como o coco ou o açaí. No Peru, vá de Pisco, e assim por diante.

Boa viagem!

Segure o CTRL e clique nas imagens para ver mais fotos nossas economizando com comida em viagens =)

Gostou do artigo? Então ajude o Instinto Viajante a se manter no ar =) Clique aqui e doe quanto quiser. Obrigado!

Se esse artigo lhe ajudou pode ajudar outros viajantes. Compartilhe =)

seta-instinto-viajante Mais dicas para economizar viajando

Viaje com o melhor seguro viagem internacional: World Nomads (link afiliado)

Ficou alguma dúvida ou quer dar outras dicas sobre como economizar com alimentação viajando? Conte para nós nos comentários!

Curta Instinto Viajante no Facebook e siga-nos pelo Instagram


« | »

Sobre