8 provas de que viajar é uma droga

viajar é uma droga

8 coisas que provam que viajar é uma droga

As maiores provas de que viajar é uma droga

Viajar é uma droga! Sem dúvidas. Se você nunca se deu conta disso prepare-se para saber as 8 maiores provas de que viajar é uma droga. E pesada!

8. Viajar aumenta a capacidade cerebral

Viajar possui o efeito de drogas estimulantes fortes. Um viajante mochileiro que faz uma longa jornada e conhece diversas culturas nunca retorna o mesmo, seu cérebro e suas ideias nunca tornam a ser como antes.

7. Viajar relaxa

Assim como o álcool, viajar acaba com a ansiedade, a tensão muscular e a vontade de dormir “pra esquecer”. Quem não sofre com a ansiedade das ferias marcadas, roteiro pronto e o bendito dia não chegar nunca? Se você esta estressado com a vida e o trabalho pode ter certeza que basta um dia de viagem (ou uma dose) pra relaxar, acabar com suas tensões e esquecer quaisquer problemas. Viajar sozinho, assim como o álcool, é também um lubrificante social e tanto. Sobre dormir não preciso nem falar né?! Viajando todo mundo quer acordar cedo, dormir tarde e ver a vida com olhos bem abertos!

6. Viajar é alucinógeno

viajar é uma droga

Foto: giphy.com

Viajar é mais alucinógeno que LSD e cogumelos, causando grande exaltação das percepções sensoriais, sensação de levitação, ideia minimalista de indivíduo ao conhecer um mundo tão enorme e variado de culturas e sensações, e despersonalização mística em que o viajante se sente unido ao Universo deixando de ser uma unidade individualizada. Mas fique calmo, viajar dificilmente o fará entrar em uma badtrip.

5. Viajar deixa pilhado

Assim como as anfetaminas, o ecstasy e a cocaína viajar alucina! Uma viagem aumenta e torna frequente a auto-confiança, euforia e energia. O mochileiro parece trincado ao ver cada nova praia linda, trilhas, locais históricos e famosos. Sua capacidade de concentração e memorização aumentam a cada nova estudada em mapas de cidades totalmente desonhecidas; a rapidez de associação de ideias se eleva a cada novo perrengue ou pexinxa; a força muscular e diminuição da fadiga se elevam a cada nova trilha vencida; durante a maratona de passeios, trajto entre cidades e festas em hostel, o mochileiro simplesmente fica imune a sono, fome, sede ou frio.

4. Viajar abre a mente

Viajar abre a mente mais que chá de ayahuasca, o famoso Chá do Santo Daime. As reações são específicas para cada viajante, mas em geral, viajar traz a sensação de estar em “comunhão” com os outros, além de abrir a mente pra outros pontos de vistas, soluções de problemas e respeito ao próximo.

3. Viajar causa bem estar

Viajar causa ainda mais bem estar do que heroína. Ainda elimina a ansiedade e depressão, elevando a confiança, euforia e o extremo bem-estar (e aquele salto de paraquedas que você nem sabe de onde criou coragem? E quando nadou com tubarões ou desceu um precipício de bicicleta na Bolivia?).

2. Viajar aguça os sentidos

Tal qual a Cannabis sativa, popular maconha, viajar aguça os sentidos. Não só promove sensação de bem-estar, desinibição e maior capacidade de fantasiação, tornando tudo perfeito e maravilhoso aos olhos do viajante, como traz uma melhor visualização da realidade com mais intensidade (cores e sons mais distintos). Depois de mochilar por algus meses, percebi que reparo em tudo nas cidades, animais, insetos, vento, sol, pessoas e tudo, absolutamente tudo, ao redor! Viajar aguça mais sentidos que maconha e tem menos larica!

1. Viajar vicia (e muito!)

viajar é uma droga

Foto: zazzle.pt

Não preciso nem dizer o quanto viajar é uma droga que vicia né?! Ao menos que tenha extremo auto-controle nao viaje! Você pode encontrar-se altamente inclinado a largar seu emprego para viajar pelo mundo com uma mochila.

Importante saber

Abstinência de viagens – ficar sem viajar pode causar nostalgia, saudades, lacrimejo, ansiedade, desanimo, depressão e estresse. =D

Doenças associadas – viajantes com longos anos de estrada podem se sentir depressivos ao ficar um longo tempo morando em um único lugar; desanimados em estarem trabalhando em um escritório lembrando da vida na estrada e as praias; alto risco de não se sentirem impressionados com quase nada, dentre outras patologias adquiridas ao longon de anos de turismo.

Viajar grávida – viajar é uma droga com alto risco de complicações para a criança, aumentando consideravelmente as chances de ela venha a ser um mochileiro e cair no mundo.

Nota: viajar causa dependência física e psiquica, mas nunca houve casos de overdose. Vá até a última gota sem medo!

Como viajante e blogger confesso que me orgulho em ser viciado nessa droga pesada que é viajar. E mais ainda de poder traficar o produto pra vocês. Quer viajar mais? Na minha mão é mais barato! hehe

 

Curta Instinto Viajante no Facebook e siga-nos no Instagram.

Foto divulgação: areah.com.br


« | »

Sobre