7 dicas de viagem para lidar com o assédio sexual em viagens

assédio sexual em viagens

Dicas para mulheres sobre como lidar com o assédio sexual em viagens

Saiba como evitar e lidar com o assédio sexual nas estradas

as.sé.dio
sm (baixo-lat assediu) Impertinência, importunação, insistência junto de alguém, para conseguir alguma coisa. Assédio sexual: ato ou menção que leve a constrangimento de natureza sexual, seja através de qualquer comportamento sexual indesejado, toque, comentários ou olhares.

Infelizmente ainda vivemos uma realidade cultural onde é comum ouvir sobre situações de assédio sexual em viagens. Todos estão sujeitos a esta situação problemática, mas em um contexto social que favorece um pensamento maioritariamente machista e patriarcal, são as mulheres as maiores vítimas de assédio sexual em viagens, principalmente em viagens solitárias. Portanto, tenha ciência de que a lista contém itens unissex, porém é centrada na realidade da mulher.

De antemão, ratifico que você não deve deixar de viajar por medo de situações como estas. Não deixe que pessoas ignorantes impeçam ou limitem seus sonhos. Apenas esteja preparada para lidar com as situações de assédio sexual em viagens e manter-se segura e feliz. Ignorar o problema não o resolve, enfrentá-lo sim.

O Instinto Viajante apóia as causas de segurança feminina e maior (e melhor) participação social. Com isso, tentamos influenciar e mudar ao máximo a cultura das pessoas, visando uma melhoria futura em prol da erradicação desse tipo de violência. Ainda assim, sabemos que esse pensamento ainda está bastante presente nas estradas e por isso trazemos hoje, especialmente para nossas leitoras, algumas dicas sobre como evitar e lidar com o assédio sexual em viagens. Confira a seguir!

Cantadas infames e assobios

As famosas cantadas das ruas que ocorrem em qualquer lugar, infelizmente. Nunca aprendi nada com alguém que tenha tentado me ensinar algo de forma estupida, autoritária ou arrogante. É complicado e estressante lidar com essa situação, eu imagino, mas se esforce para responder numa boa e se possível com um misto de seriedade e bom humor – seja mais inteligente que seu opressor. Possivelmente o autor da cantada ou onomatopeias mal vindas ficará envergonhado ou ouvirá risos dos amigos que estiverem próximos. Responder numa boa aumenta as chances de que alguns destes voltem para suas casas com alguma reflexão e ótica diferente sobre a situação. Fazendo isso você pode contribuir mais para que as gerações futuras ou mesmo você não sofra esse tipo de assédio sexual em viagens e no dia-a-dia. É claro, nem todos aceitarão ou pensarão quando você retrucar, e alguns casos o melhor mesmo será ignorar e seguir seu caminho, você precisará julgar cada situação.

Assédio sexual em viagens – carona (conduzindo a conversa)

Não ouço falar muito de histórias de assédios sofridos durante caronas (não tanto quanto as pessoas acreditam e alimentam seus medos), portanto não ache que isso é tão comum. Quando acontece, pelo que sei, também não é de forma agressiva (fisicamente falando, de outras formas sempre o é), portanto é possível sair pela tangente e deixar tudo numa boa.

Sempre que pegar uma carona, esforce-se em manter um diálogo a respeito da vida de quem está lhe ajudando. Converse bastante sobre coisas cotidianas e pergunte sobre sua vida, se possui filhos, esposa, onde mora, time de futebol, etc. Não seja chata, mas tente manter seu motorista sempre falando algo. O resultado normalmente será uma quebra de qualquer segunda intenção devido à sua eficiência em trazer para o contexto situações reais, a realidade da pessoa que pensará nos filhos, mulher, amigos, e outras coisas, inclusive lembrando que é uma pessoa de bem ou de sua própria integridade, e que o fazem desistir de almejar algo e até viram o jogo. No fim, o motorista estará preocupado em saber que você, diferente do que ele pode ter suposto, não é uma menina de rua, prostituta, drogada ou qualquer coisa que possa ter sido fruto da imaginação preconceituosa e retrograda do motorista. Ele possivelmente terminará a carona tentando te ajudar mais, falando que você deve tomar cuidado na estrada, dando conselhos, pagando um lanche ou algo assim, fruto da empatia que a conversa criará. No fim, o que poderia ser uma situação desagradável poderá se transformar em uma boa conversa e quem sabe até uma amizade, além de você conhecer cada vez mais histórias e vidas na estrada.

Assédio sexual em viagens – carona (quando algo está errado)

Se você achar que conduzir a conversa não funcionou e algo permanece estranho ou hostil, antecipe-se. Tente uma saída simpática como um “desculpe, mas você está confundindo as coisas” e peça para descer. Se achar que a situação não permite essa simpatia e que o cara irá forçar a barra, tente outra saída: invente uma desculpa para descer.

Fingir que está passando mal, que precisa ir no banheiro, ou que esqueceu algo onde estava pode funcionar. Outras possibilidades incluem atender uma ligação falsa e dizer que alguém ou seu namorado na verdade chegou na cidade anterior e você voltará para encontrá-lo. Priorize descer em lugares movimentados, mas se for uma situação que julgue ser grave, desça mesmo que na estrada. Se precisar, consiga um local para armar sua barraca e passar a noite – certifique-se de que seu motorista não esteja por perto.

Assédio sexual em viagens – transportes coletivos

Transportes coletivos são lugares propensos a ação de homens mal intencionados. Esse tipo de assédio sexual em viagens pode ocorrer em ônibus, metrôs e trens, e mesmo táxis com lotação. Se você passar por situações em que a pessoa que sentar ao seu lado ou que estiver em pé muito perto de você tente alguma forma de assédio, mude-se de lugar. Caso não seja possível, mencione alto para que a pessoa se envergonhe e pare (preferencialmente falando educadamente), isso irá despertar a atenção de outras pessoas e pode inclusive fazer com que outros saiam em sua defesa.

Afastar as tentativas com seus braços e cotovelos pode servir como um “eu sei o que você está tentando fazer e não irei permitir”. Não seja estúpida e violenta, mas também não se mantenha em posição de fragilidade. Certifique-se para não cometer equívocos.

Não fique calada durante um assédio sexual em viagens

Como mencionei acima, em locais públicos e de movimento nos países que não forem essencialmente machistas declarados em termos coletivos, como alguns países do oriente médio, fale alto ou vá até uma pessoa como se fosse seu amigo ou namorado já falando oi e puxando assunto que façam parecer que está mesmo acompanhada. Não fique em silêncio, calada e sozinha.

Anel falso para evitar assédio sexual em viagens

Algumas mulheres acham que funciona, outras que não, mas fato é que usar um anel falso que simbolize que você tem um compromisso com alguém como noivado ou casamento pode ajudar a afastar a ação de homens indesejados e possibilidades de assédio sexual em viagens. Não custa tentar.

Insistentes após uma conversa

Às vezes há situações onde o que começou com uma simples conversa de bar ou transporte coletivo se torne uma dor de cabeça que evolui para um assédio sexual em viagens. A insistência do homem interessado em você pode se transformar em uma situação de assédio sexual em viagens. Mais uma vez sugiro que certifique-se de que a situação possui mesmo essa gravidade e tente sair pela tangente de forma educada. Mencione que há um namorado no contexto ou sobre não estar mesmo a fim. Se ele insistir quanto a pegar um contato, explique que não quer, não tem ou dê contatos falsos. Se for um local público use a tática de expor a situação, não precisa ridicularizar a pessoa, mas deixar claro ao público que há uma situação desagradável acontecendo.

O assédio sexual em viagens é uma forma de violência e infelizmente ainda está muito presente no mundo. Tome atitudes acerca desta situação, ensinando quando puder ensinar, respondendo numa boa sempre que possível e principalmente aprendendo a se cuidar e lidar com essas situações desagradáveis. Ao viajar solitária, pense antes a respeito dessas situações e já defina em pensamento como você agiria nesses momentos e o que responderia, isso evitará momentos que possam deixá-la em estado de choque e sem reação, dando a você clareza e chance de agir melhor e com mais naturalidade ao ter que responder algo, mudar de lugar ou mentir algo como ter um namorado. Pensando antes suas chances de ficar mais tranquila e equilibrada aumentam de forma significativa.

Aos leitores masculinos desse artigo, deixo meu pedido que orientem ao máximo seus filhos e amigos a respeito da existência do problema de assédio sexual em viagens e no dia-a-dia, e de como não criar esse tipo de violência contra as mulheres. Ajudem sempre que possível ao notar algo estranho nas proximidades ou sente-se perto das mulheres como um fator de proteção em países que tenham alto índice de machismo e assédio sexual em viagens. Não ignorem esse problema, nem se omitam.

 

Você já sofreu assédio sexual em viagens? Compartilhe conosco sua experiência e como agiu.

 

É mulher e mochileira? Veja dicas simples de como manter seu mochilão leve e completo

Curta Instinto Viajante no Facebook.

Pelo Instagram do Instinto Viajante curta as fotos mais belas mundo afora.

* Definição de assédio sexual de acordo com o Dicionário Michaelis.

Foto: www.huffingtonpost.com


« | »

Sobre